Notícias

02/08/2022 15:30

Pesquisador de Geologia da Uefs publica artigo em blog da revista Superinteressante

Na última semana o artigo de um pesquisador da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) foi publicado na página da Superinteressante, grupo Abril, em parceria com a Sociedade Brasileira de Geologia (SBG). "Existem terremotos no Brasil. Saiba onde e por que eles acontecem": esse é o texto escrito pelo professor da Uefs, Dr. Carlos César Uchôa de Lima, em co-autoria com Dr. Aderson Farias do Nascimento, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) - o décimo sexto produzido para o blog Deriva Continental, gerido pela SBG. Para Uchôa, o tema merece atenção: "na escola, ainda hoje se aprende que não há terremotos no Brasil".

"O texto desmistifica isso e mostra que a ocorrência de tremores de terra é bem mais comum do que se pensava. Apesar do grande número de terremotos no Brasil, a magnitude (quantidade de energia liberada) dos tremores é baixa. Além de mostrar a distribuição dos sismos, o texto também faz um apanhado histórico de terremotos no Brasil, destacando a importância de dois pesquisadores, um norte americano, John Casper Branner, e um baiano, Theodoro Sampaio. Eles catalogaram muitos tremores de terra que aconteceram no Brasil no início do século XX, principalmente no Nordeste do Brasil", completa o pesquisador da Uefs.

A problemática é discorrida com base em conhecimentos produzidos pela comunidade científica e, não menos, a partir de estudos realizados e publicados pelos autores em periódicos. "Há uma relação direta com o meu trabalho na Uefs, pois meus últimos artigos ou lidam com a paleossismicidade ou com riscos geológicos. No primeiro caso, tenho duas publicações internacionais e outras duas nacionais sobre a Neotectônica, na qual identifiquei, em campo e com datação por luminescência e radiocarbono, evidências de terremotos de alta magnitude que ocorreram nas costas de Sergipe e Alagoas, entre 900 e 8000 mil anos atrás", destaca.

Mas além da sólida base de conhecimentos científico dos autores, o que também tem chamado a atenção é o formato didático e instigante de apresentação do tema, que é uma tradição da Superinteressante. "A resposta tem sido maravilhosa. Recebi muitas manifestações nas redes sociais, não só de apoio, mas de muita admiração pelas informações veiculadas no texto. O sucesso foi tanto que o texto está entre os cinco mais lidos da Superinteressante; e isso pra mim, e certamente para a Uefs e UFRN, é muito relevante", conta Uchôa, que tem recebido elogios de pesquisadores das universidades de grande referência na Bahia e no Brasil.

Para ter acesso ao texto dos autores publicado na página da Superinteressante, clique AQUI.


Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.