Notícias

13/06/2022 16:50

Diversidade de linguagens em atividades científicas, artísticas e culturais marcam "É vento literário" na Uefs

As variações de linguagens e de participação de artistas, estudantes e pesquisadores marcaram o "É vento literário", que aconteceu ao longo desta segunda-feira (13), no anfiteatro do Módulo 2 da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). O objetivo era que os diferentes gêneros literários, artísticos, culturais e científicos se integrassem a partir de atividades, estilos e temas para a promoção e socialização de conhecimentos e saberes. A iniciativa foi do mestrando em Estudos Literários da Uefs, Jefferson Moura que, orientado pelas professoras Luciene Souza e Flávia Aninger, cumpre uma das etapas de sua pesquisa. Conta com o apoio do Programa de Pós-graduação em Estudos Literários (Progel) e do Diretório Acadêmico de Letras (Dalet).

Inspiração para a realização do evento, a pesquisa de Jeferson Moura tem como objeto as poesias produzidas e que circulam no Instagram, com a proposta de compreender "como essa nova forma de expressão literária tem contribuído para que as pessoas que tenham acesso a essas expressões busquem outras formas de literatura". A professora Luciene Souza, vinculada ao Departamento de Educação da Uefs (Dedu), avalia que essas diversidades de linguagens "potencializam aprendizagens". "Quanto mais diverso o que a gente está entrando em contato, maior é a nossa capacidade de expandir, de aprender, de chegar a intertextualidades, a diálogos entre estas pluriformas, pluriculturalidades, como o próprio evento traz ", comentou.

Também é uma contribuição para o processo formativo dos estudantes, de acordo com o discente do sexto semestre de Letras Vernáculas, Felipe Lisonjeado, que também é diretor geral do Diretório Acadêmico de Letras e auxiliou na organização das atividades: "a gente quer trazer o científico e o artístico num só lugar". Estudante de Licenciatura em História e artista independente, Elielton Reis é um dos expositores no evento. Ele mostrou alguns dos quadros que produziu em vários momentos, e destacou alguns que os inspirou durante a pandemia de Covid-19. "Eu aproveitei esse tempo para pintar. Foi aí quando comecei a colorir mais as pinturas, pra poder pensar nesse futuro positivo, onde as coisas iam voltar, iam melhorar", explicou.

Participaram ainda do evento artistas e pesquisadores das comunidades internas e externas a Uefs, como Roberval Pereyr, Lívia Natália, Moisés Alves, Damares Teçá, Mc Cruel, Analu, Jeff Moura, Zecalu, Sinistro, Don Guto, Paulo Balla, Mestre Bel Pires, Will Fialho, Mariana Rozario, Mariana Paim e Lázaro Souza .


Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.