O Ensino de Ciências no Brasil
Um Pequeno Histórico

  • 1950: Diagnóstico: ensino livresco, ato de decorar

    Surge um movimento para enfatizar o raciocínio e as atividades experimentais e ter, no âmbito das ciências, o produto da pesquisa.

  • 1955: IBECC/UNESCO (Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura)

    São Paulo patrocina a renovação curricular do ensino da ciência nas escolas.

  • 1956: Novos Currículos nos EUA (PSSC, CBS, CBA, IPS) e na Inglaterra (Fundação Nuffield)

    Motivação: Lançamento do Sputinik (primeiro satélite artificial) pela antiga União Soviética. O governo dos EUA foi surpreendido como o avanço tecnológico e científico soviético. Encampou as críticas que eram feitas a educação científica nos EUA, semelhantes a aquelas que eram feitas no Brasil, e investiu esforços e vultuosas somas no desensolvimento de novos currículos.

    PSSC: "Physical Science Study Committee" (primeiro projeto dedicado a levar, para as escolas secundárias, os últimos avanços da Física, particularmente da Física Nuclear).

    CBS e CBA: Projetos em Química, com ênfases um pouco diferentes.

    IPS: Projeto para Introdução a Física, destinados aos estudantes mais jovens.

  • Anos 60: Projetos traduzidos e adaptados no Brasil

    Tais projetos não eram adequados para a situação (realidade) das escolas brasileiras. Aliás, o PSSC revelou-se muito difícil, mesmo para a maioria das escolas norte-americanas, e exigia um intenso treinamento dos professores.

    O "Harvard Project Physics", alguns anos depois, era menos exigente e com ênfase em aspectos históricos e filosóficos.

  • 1963-1964: Projeto Piloto de Ensino de Física - SP (patrocinado pela UNESCO)

    Participação de professores de vários países latino-americanos, dos EUA e da Suécia, em que foi elaborado um material para o "Ensino Programado" e atividades experimentais sobre o tema "Luz". O golpe militar de 1964 ocorreu durante o desenvolvimento deste projeto.

  • 1965: Centros de Ciências: RJ (Cecierj), SP (Cecisp), PE (Cecine), BA (Ceciba), MG (Cecimig), RS (Cecirs)

    O mesmo movimento levou a fundação, pelo Ministério da Educação, dos primeiros Centros de Ciências no país, dedicados, principalmente, ao treinamento de professores em serviço e a encorajar atividades de observação e de laboratórios nas escolas.

  • 1970: Projeto Curricular Brasileiro (PEF, FAI)

    Inspirados nos projetos norte-americanos, porém, voltados, desde o início, para a situação das escolas brasileiras.

    PEF: Projeto de Ensino de Física
    FAI: Física Auto-Instrutiva

    Estes projetos enfatizavam o ensino ativo e as atividades dos alunos, inclusive de laboratório.

  • Anos 80: Novos Centros e Museus de Ciências

         1982: CIC/IBECC/USP, São Paulo-SP
         1982: CDCC/IFQSC/USP, São Carlos - SP
         1983: Espaço Ciência e Vida, Rio de Janeiro - RJ
         1985: Programa para Ensino de Ciências SPEC/PADCT
                   Banco Mundial/MEC (apoio a centros, feiras, clubes, ..., com ênfase experimenal)
         1985: MAST/CNPq, Rio de Janeiro - RJ
         1987: Estação Ciência/CNPq, São Paulo - SP
         1988: Espaço UFF de Ciências, Niterói - RJ
         1989: Fundação Vitae - Apoio para o Ensino de Ciências
         1989: Estação Ciência da Paraíba - PB
         1989: Clubes e Casa da Ciência (UFCE), Ceará
         1991: Usina da Ciência, Alagoas
         1994: PADCT/CAPES/SPEC - Edital Museus de Ciência
         1994: Museus de Ciências Naturais (UFPR), Paraná
         1995: Casa da Ciência (UFRJ), Rio de Janeiro
         1995: Pró-Ciências/CAPES/MEC (treinamento de professores de ciências)
         1995: Estação Ciência, STC, Recife - PE
         1998: Planetário/Museu do Universo, Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro - RJ
         1998: Museu de Ciência e Tecnologia (PUC/RS), RS

         Espaço Museu da Vida (FIOCRUZ), RJ: 1994 (inaugurado parcialmente) - 1999 (ampliado)

  • 1999: 113 Centros e Museus de Ciências no Brasil* (~60% em universidades)

    Amazônia (3); Nordeste (15); Centro-Oeste (9); RJ/ES (17); São Paulo (32) - USP (20); Sul (37)

    Público Anual Total: ~1 a 2 milhões

    *Fonte: Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciências (ABCMC)

    Referência:"A Popularização da Ciência no Brasil", Hamburger E.W., 2002, in: Educação para a Ciência - Curso para Treinamento em Centros e Museus de Ciências (organizadores: Silverio Crestana (coord.), et al.)


    Referência: "Museos y Centros de Ciencia de México", Padilla J., 2002, in: Educação para a Ciência - Curso para Treinamento em Centros e Museus de Ciência (organizadores: Silverio Crestana (coord.), et al.)

  • Voltar